Diocese
da Campanha

/
/
/
Missa vespertina da Quinta-feira Santa

Missa vespertina da Quinta-feira Santa

DSC05459

Missa Pontifical recorda o rito do Lava-Pés e a Instituição da Eucaristia

 

A missa vespertina de quinta-feira, dia 13 de abril, lembrou aos fiéis a última ceia de Cristo, sobretudo os gestos do Lava-Pés e da Instituição da Eucaristia. A celebração, na Catedral Sant Antônio, foi presidida pelo bispo diocesano, D. Pedro Cunha Cruz e concelebrada pelos cônegos pe. Luzair Coelho de Abreu, pároco e chanceler do bispado; e  mons. José Hugo Goulart, vigário paroquial. Como é tradição na paróquia, também participaram da celebração o grupo de Ministros Extraordinários da Comunhão e os membros da Irmandade do Santíssimo Sacramento. 

 

A celebração

Popularmente chamada de Missa do Lava-pés, a celebração vespertina da quinta-feira recorda aos fiéis os momentos próximos à condenação e morte de Jesus. A celebração é dividia em quarto momentos.

Liturgia da Palavra: quando são proclamados textos que recordam aos fiéis, primeiramente o relato da páscoa judaica (Ex 12,1-8.11-14), no contexto da saída do Egito, libertação do povo de Deus; a segunda leitura, da carta de Paulo aos Coríntios (1Cor 11,23-26) apresenta o mais antigo relato da instituição da eucaristia. O Evangelho de João (Jo 13, 1-15) introduz o fiel ao cenáculo, onde as palavras d mestre são reforçadas pelo exemplo de serviço.

Lava-Pés: o celebrante repete o gesto de Jesus, que lava os pés dos apóstolos. Esta ação simbólica manifesta que jesus se coloca como o Servo num ato de amor e de serviço para com os apóstolos e recomenda que se faça o mesmo entre os irmãos.  O costume do lava-pés é muito antigo na tradição da Igreja. Encontramos relatos desse gesto desde o século IV. E, com a reforma do Missa Romano de 1970 tornou-se obrigatório em todas as missas da Ceia do Senhor. Comentando sobre o Lava-Pés, D. Pedro declarou: “Na verdade, o sinal que Jesus os dá é o seu amor. Esse sinal se espelha na humildade que Ele nos oferece: um gesto concreto. O Lava-Pés é apenas um sinal desta humildade que o Senhor ensina através deste gesto que permanece para a Igreja. Ele dá um gesto concreto e depois celebra o Sacramento do Amor, que é a Instituição da Eucaristia. Significa, portanto, que a humildade e a caridade estão intimamente associadas ao sacramento da Eucaristia. São sinais, portanto, do amor que é celebração na santa Igreja e, ao mesmo tempo, materializados através do nosso gesto concreto através de nossos irmãos não somente aquele que nós “amamos, coo também aquele que nós não amamos.”

Este ano, os representantes da comunidade que foram eleitos como apóstolos, que tiveram seus pés lavados pelo bispo, foram 12 senhores pertencentes ao Terço dos Homens. Este ano, o Brasil vivencia o Ano Mariano, quando lembramos os 300 anos do encontro da imagem de Aparecida.

Liturgia Eucarística: neste celebração reveste-se de caráter especial, pois recordamos a Instituição da Eucaristia. A narrativa da instituição, constante na Oração Eucarística I, também chamada de Cânon Romano, ressalta a importância da celebração de hoje: “Na noite em que ia ser entregue, para padecer pela salvação de todos, ISTO É, HOJE, Ele tomou o pão em suas mãos, eleva os olhos elevou os olhos a vós, ó Pai,  deu graças e o partiu e deu a seus discípulos […]”. Na celebração de quinta-feira, tradicionalmente são consagradas um grande número de partículas, pois, como não há eucaristia na sexta-feira da Paixão, é necessário fazer a reserva eucarística para a distribuição de comunhão na solene Ação Litúrgica das 15h.

Transladação do Santíssimo Sacramento: Terminada a celebração eucarística, o Santíssimo Sacramento é levado para sua Capela, onde fica para a adoração dos fiéis. Neste momento, Jesus Eucarístico não é transportado em um ostensório, como habitualmente se faz, e sim em uma urna própria. Durante a Transladação já se inicia o grande silêncio que perdura na Igreja até a Vigília Pascal. As matracas, utilizadas nesta procissão interna já  fazem esse apontamento para os fiéis. Durante o momento, o Coral Campanhense, à capela, entoa o tradicional canto “PangeLinguaGloriosiCorporisMysterium”, composto por São Tomás de Aquino: Canta, minha língua este mistério do corpo glorioso, e do sangue precioso, que, do fruto de um ventre generoso o rei das nações derramou como preço da redenção do mundo.

 

O silêncio da Paixão

“Após a Instituição da Eucaristia, na quinta-feira santa, quando nós iniciamos o Tríduo Pascal, não temos a bênção final pois nós fazemos a Transladação do Santíssimo Sacramento. Toda Igreja agora se prepara para esse grande silêncio, para a celebração da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Preparamos o nosso coração. Amanhã [sexta-feira] a Igreja não celebra a Santa Eucaristia. Na Celebração da Paixão temos a comunhão. É um dia de grande silêncio espiritual, um grande retiro espiritual que nós fazemos no curso deste dia. Também recordando que o que está na centralidade de nossa vida é a Eucaristia. Amanhã [sexta-feira] é um dia de jejum e abstinência. Nós nos nutrimos simplesmente da Palavra de Deus e do Corpo Eucarístico de Jesus. Os judeus já celebravam o dia anterior, a véspera, a vigília, o dia anterior. Então na verdade, neste encerramento da Instituição da Eucaristia [quinta-feira a noite], nós já estamos nos preparando para a Paixão do Senhor. Esse silêncio recorda também o silêncio do Senhor no santo sepulcro. Até nós soltarmos esse Glória que será cantado com todo vigor pascal no Sábado do Aleluia, no Sábado Santo, na missa da Vigília Pascal.”

O silêncio da paixão reveste-se exteriormente na Igreja através da desnudação dos altares: despojar-se de tudo para se centrar no Cristo sofredor que faz sua imolação. São retirados do altar todos os objetos e enfeites, fiando completamente despojado de tudo.

 

Coral Campanhense

A parte musical da celebração ficou a cargo do Coral Campanhense que entoou canções litúrgicas e de seu repertório barroco. O ordinário da missa foi composto pela musicista Campanhense Maria Lucília Musa Pompeu, seguindo a estética musical polifônica do barroco.

Fotos por Bruno Henrique

 

 

Author picture

Compartilhar:

Categorias:

Diocese

Formações

Leia Também

Aconteceu em Belo Horizonte – MG, de 15 a 19 de julho, mais uma edição do Encontro Nacional de